quarta-feira, 28 de março de 2018

Anônimo

Amor

"Suas palavras me cortam a pele
E eu sangro
Eu rasgo meus sonhos
Me viro do lado,do avesso
Apago meu rastro
Pago o seu preço

Arranco pedaços de mim
Seus dentes cravados na carne da minha alma
Eu sinto, eu sinto, eu sinto muito

Quando a noite por fim nos cobrir com seu manto
E a sua língua de adaga atravessar meu sonho sem reza
No fundo do poço de tanta tristeza
O sopro que vem dos teus olhos
Vai apagando as velas que nascem em mim
Em mim, de mim, por mim
Eu sinto muito

Em mim, de mim, por mim
Eu sinto muito" 

terça-feira, 13 de março de 2018

segunda-feira, 12 de março de 2018

Arthur Guiterman

Quando a vida é uma tragédia,
E a esperança é uma tolice,
O Mundo diz: “Vá!”,
E o Túmulo diz: “Venha!”

T. S. Eliot

E aquilo que os mortos não falavam quando vivos,
eles podem lhe dizer, estando mortos:
a comunicação dos mortos tem uma língua de fogo
além da linguagem dos vivos.

quarta-feira, 7 de março de 2018

Oscar Wilde, The Ballad of Reading Gaol

Uma ou outra vez
Também é cortês arremessar o dado,
Mas na Casa da Vergonha, jamais ganha
Aquele que joga com o Pecado

Algernon Charles Swinburne, Laus Veneris

Não ouso tocá-la sempre, temendo que o beijo
Deixe meus lábios queimados. Sim, Deus, um pequeno êxtase
Breve êxtase amargo, que se tem por um grande pecado;
Porém sabeis quão doce é o sabor ofertado.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Anônimo

Amor "Suas palavras me cortam a pele E eu sangro Eu rasgo meus sonhos Me viro do lado,do avesso Apago meu rastro Pago o seu preço Ar...